MAIS UMA DICA IMPORTANTE!

Sistema simples de captação da água da chuva com filtros!

ÁGUA

Guia de economia de água para condomínios: ajude o síndico a evitar o desperdício

by

Aprenda a melhor forma de economizar dentro e fora dos apartamentos

Em condomínios e prédios, muita água é desperdiçada. E isso é causado por diversos fatores que podem ser revertidos com algumas medidas simples. Confira algumas medidas para a economia de água em condomínios:

  1. O primeiro passo é a aplicação de uma campanha de conscientização. Distribua cartazes pelos murais, elevadores e envie cartas a cada apartamento. A ideia é diminuir o consumo e, para isso, é necessário que as pessoas entendam o sentido da campanha.
  2. Proponha, dentro das reuniões de condomínio, a troca da conta de água de consumo coletivo pela de consumo individual. Essa é uma das causas que levam os moradores a serem pouco conscientes, já que não têm noção de quanto gastam mensalmente (pois a conta está inclusa nas despesas de condomínio). Sendo assim, o orçamento do prédio, caso hajam multas, não sairá do bolso de todos e a administração pode advertir quem estiver gastando muito.

Dentro das casas ou apartamentos

Após as medidas tomadas em conjunto, é necessário também estar atento ao gasto de água individual:

Lava-louças e lava-roupas

Apenas utilize esses equipamentos somente quando estiverem cheios, pois isso evita o desperdício. Águas de máquinas de lavar e do banho também podem ser reaproveitadas para limpar os terraços ou outras áreas externas do prédio. O uso do lava-louças no lugar da maneira tradicional de limpeza chega a economizar cerca de seis vezes a quantidade de água normalmente gasta.

Cozinha e banheiro

Mantenha a torneira fechada ao escovar os dentes, fazer a barba e ao ensaboar a louça. Ao escovar os dentes com ela aberta, você gasta cerca de 13,5 litros de água em apenas dois minutos. A forma de lavar a louça com materiais biodegradáveis e a organização da louça antes da limpeza também ajudam na economia. O banho pode ser tomado em cinco minutos e o registro deve ser fechado na hora de se ensaboar. Isso gera uma economia de até 30 mil litros no ano.

Adote dispositivos que ajudam na redução do consumo de água, como o arejador de torneiras, o restritor de vazão, bacias sanitárias VDR e válvulas automáticas para mictórios. Caso haja banheiros coletivos em áreas comuns do prédio ou codomínio, dê a ideia de utilizar esse tipo de equipamento.

Fora das casas ou apartamentos

Piscinas

Uma coisa que você não sabia sobre piscinas é que se perde 90% de sua água ao mês pela evaporação. Por isso, cubra-a com uma capa quando não estiver usando. Isso também evita o depósito de folhas e outros resíduos. Uma piscina limpa precisa de menos trocas de água. Revise sempre a bomba e o filtro, já que o mau funcionamento desses equipamentos aumenta o gasto d’água.

Continue realizando a limpeza da superfície por meio de peneiras próprias para isso. Aspire sujeiras do fundo da piscina, filtre a água por seis horas todos os dias e ajuste o pH, o cloro e a alcalinidade sempre que se tiver necessidade.

Jardim

Gastar muita água com as plantas é algo muito fácil de evitar. No inverno, por exemplo, é possível regá-las dia sim, dia não. Regar o gramado ou o jardim antes das 10 horas da manhã e depois das 7 horas da noite evita o excesso de evaporação. E sempre evite a mangueira. Com essas medidas, você pode economizar cerca de 96 litros de água diariamente só com as plantas.

Limpar quintal e carro

Adote a vassoura como a melhor amiga da água. Para limpar a calçada, quintal, ou áreas comuns de prédios, não use a mangueira – ligada por 15 minutos, ela gasta 280 litros de água. O carro pode ser lavável por meio de um balde e um pano em vez da mangueira.

Por fim, se alguém disser que a água é barata, tenha em mente que o valor dela não pode ser precificado e que é um bem inestimável que está em risco.

Fonte: eCycle

 

Cinco passos para ensinar as crianças o consumo consciente de água

by

No Brasil cada pessoa gasta, em média, 185 litros de água por dia, enquanto a Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda o máximo de 110 litros. O desperdício é um dos fatores que agravam a escassez desse recurso. Como já tido aqui, no último dia 22 de março foi o Dia Mundial da Água, e todo dia é dia de ensinar quem mais irá sofrer com esse problema no futuro: as crianças. Para Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a educação para o consumo consciente é uma medida essencial e urgente a ser adotada.

“O bom exemplo ainda é o método mais eficaz para transmitir ensinamentos aos filhos, mas é possível apostar em outras estratégias, de preferência que tenham um aspecto mais lúdico e criativo para criar a consciência da importância da natureza desde cedo”, ressalta Nunes. Segundo ela, a estratégia é fazer com que as crianças entendam a conservação como parte do dia a dia, e não como uma tarefa forçada.

Segundo o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento de Recursos Hídricos 2015 – Água para um Mundo Sustentável, documento elaborado pela Unesco, o consumo da água cresceu duas vezes mais do que a população nas últimas décadas. Seguindo o mesmo padrão de uso desse recurso, estima-se que até 2030 o mundo deve alcançar um déficit de 40% no abastecimento de água.

Leia abaixo cinco dicas para educar as crianças para a importância de conservar os recursos hídricos e consumir água de maneira consciente.

1.   Comece por uma lista de ações

O que pode mudar em casa para que a família consiga economizar água? Sente com seus filhos e, juntos, elaborem uma lista com itens que podem servir como metas, como reduzir o tempo de banho a cinco minutos por pessoa, varrer a calçada em vez de lavar, coletar a água que cai do chuveiro enquanto a temperatura está sendo regulada e todas as outras ações que resultem em economia.

Ao fim de cada semana, a família pode retomar a lista para avaliar o que foi ou não cumprido.

2.   Reutilize a água

Algumas atividades não exigem água tratada, como lavar as calçadas ou o carro. A reutilização é uma boa alternativa nesses casos. É possível captar a água que sobra depois do banho de banheira dos bebês ou da lavagem da roupa para empregar nessas tarefas. As crianças podem participar de todo esse processo. Não se esqueça de ensinar quais são os afazeres que exigem ou não água potável. A água coletada pode ser usada na limpeza da casa – deixe claro que ela não serve para ser consumida.

3.   Cultive um jardim

Qual a melhor forma de fazer uma criança entender que, sem água, os vegetais não sobrevivem e isso compromete a disponibilidade de alimentos? Cultivando um jardim em casa, plantando sementes e cuidando delas até que se desenvolvam. Caso não tenha espaço, um vaso de flor pode ser suficiente para ilustrar o processo. Se os pequenos ainda não conhecem o ciclo de formação da chuva, é um bom momento para abordar o assunto.

4.   Entre em contato com a natureza

Você sabia que existe um tipo de mata que protege os cursos d’água? A mata ciliar leva esse nome pois age como os cílios para os olhos e, assim, protege rios, mananciais e outras fontes de água de impurezas, poluição, assoreamento e muito mais. Visitar parques no meio da cidade e programar passeios em contato com a natureza são formas de demonstrar para as crianças a importância de conservar as áreas naturais e a relação delas com as fontes de água.

5.   Escolha o que e quando comprar

Embora a economia no ambiente doméstico seja essencial, o maior consumo de água acontece fora de casa: cerca de 70% do gasto de água mundial corresponde à agropecuária e 20% à indústria, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Para produzir um quilo de carne bovina são necessários aproximadamente 15 mil litros de água. Por outro lado, a mesma quantidade de carne de frango exige quase quatro mil litros. Na confecção de uma camiseta de algodão são gastos cerca de dois mil litros de água e mais de sete mil para um par de sapatos de couro. O computador de uso pessoal precisa de 30 mil litros de água para ser fabricado.

Portanto, é preciso pensar também na água envolvida na fabricação dos produtos e, a partir disso, fazer escolhas. Pare para refletir sobre seus hábitos de consumo: são necessárias tantas peças de roupas e pares de sapatos? É preciso trocar os aparelhos eletrônicos com tanta frequência? Ter essa consciência e ensiná-la para as crianças é um caminho para uma sociedade mais sustentável.

 

Quanto de água você consome?

24/01/2016

by

Você já calculou quanto de água você consome? Nestes dias de crise hídrica e problemas de abastecimento causados por desastres naturais, o conhecimento sobre como usamos a água é primordial para saber onde podemos economizar.

Segundo algumas tabelas padrões o consumo médio de água em litros/dia por pessoa é de:

Casas populares ou rurais 120 litros/dia por pessoa
Residências 150 litros/dia por pessoa 
Apartamentos 200 litros/dia por pessoa

Abaixo o quanto uma família com 4 pessoas gasta em média por mês e dicas de como economizar.

Bacia –  4.320 litros/mês

Dicas de economia: Não jogue objetos, só de descarga se necessário, procure bacias com caixa acoplada mais modernas, elas tem sistemas mais econômicos.

Lavatório  – 3.600 litros/mês

Dicas de economia: Desligue a água quando não for necessário, como durante a escovação dos dentes e enquanto esfrega as mãos, use aerador ou arejador de torneira, ele é um dispositivo barato para economia de água que se adapta à qualquer torneira.

Chuveiro  – 14.400 litros/mês

Dicas de economia: Com certeza o chuveiro é o vilão no caso do consumo de água, tomar banho mais rápido e reutilizar a água tomando banho dentro de uma bacia para aproveitar a água na descarga são conselhos básicos. Feche o registro enquanto se ensaboa e fazer xixi no banho podem ajudar muito na economia.

Máquina de lavar roupas  – 2.520 litros/mês

Dicas de economia: Ligue sua máquina sempre cheia, acumule as roupas para não desperdiçar água.

Pia da Cozinha – 4.500 litros/mês 

Dicas de economia: Usar o aerador ou arejador de torneira, que é um dispositivo barato para economia de água que se adapta à qualquer torneira e feche a torneira enquanto esfrega os talheres, pratos e panelas, isso pode poupar muita água.

 

Arrume qualquer vazamento em torneiras, mesmo o mais inocente pingar lento de uma torneira pode chegar a mais de 400 litros de água em um mês.

O custo da água

Em São Paulo a Sabesp estabelece como consumo mínimo um total de 10 metros cúbicos, que custam R$ 36,00, mas o preço é de acordo com a faixa de consumo, por exemplo, quem consome acima de 10 metros cúbicos até 20 metros cubicos vai pagar R$ 5,60 o metro cúbico, acima de 20, o metro cúbico pula para R$14,00.

O metro cúbico sai por R$ 3,60 Sendo que 1 metro cubico é igual a 1000 Litros de água. Isso quer dizer que o litro de água sai a R$ 0,0036 e aquela torneira que pinga lentamente vai lhe custar quase R$ 2,00 por mês, ou seja, mais que o preço de um reparo novo.

Fonte: Clóvis Miura – Vida Sustentável